quinta-feira, 29 de maio de 2014


Seus dentes mostravam-se de forma voraz,
sorrisos ávidos geralmente são fugazes,
ela sorria de maneira faminta,
sentia fome de viver.

Todo sorriso é um tipo de fome.

Há dias que são  solitários,
solidão e se sentir solitária são coisas bem diferentes,
silencio só é confortável quando se tem paz,
silenciar por vezes é não ensurdecer,
é  escutar o barulho interno.

Toda solidão tem inveja de quem encontra a solitude.

Seus amores continuavam guardados nos bolsos,
amor é mais amplo que dois,
amor  não deveria ser apartado,
quando conjugado é plural,

Um segrego desvelado: O nome daquele seu grande  amor é Gerúndio. 


Graci Bijega.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Dançando


Ela resolveu encarar o monstro
Arranjou espada feita de fé
Armadura blindada por esperança
Cavalo que cavalgou
Incessantemente até encarar
de frente e no olho.

Ela respirou novo folego
Arranjou sorriso feito de sol
Sonho pintado de azul
 Momento que pairou
Intensamente no espaço do procurar amar
de peito aberto recebeu a enxurrada da vida.


E sentiu tudo quando dançou
Sentindo ela também sofreu
Sofreu porque amou
Amou segurando o momento
com todas as suas forças.
E dançou pra vida
Sendo aplaudida efusivamente
pela Alegria   de saborear momento.

Graci Bijega